Home Colunas 3x4 3×4: Deserto do Atacama com a Karina

3×4: Deserto do Atacama com a Karina

Neste post, a Karina conta pra gente como foi a aventura no Deserto do Atacama no Chile, que ela e o marido fizeram como parte de uma viagem no Reveillon em Santiago no Chile.

lagunachaxa

Na Laguna Chaxa

Nome: Karina Laxe

Profissão: Arquiteta

Cidade/Pais:
Rio de Janeiro, Brasil

Roteiro:
Deserto do Atacama e Santiago

Quem foi:
Eu e o marido.

Quantos dias:
4 dias inteiros no deserto e depois, Reveillon em Santiago.

Estação do Ano:
Verão

Ar/ Trem ou Mar: As passagens Rio- Santiago- Rio foram compradas com a Tam, comprando com antecedência saiu num precinho bem bom. Como a idéia de visitar o deserto surgiu depois da compra da passagem internacional, comprei o trecho Santiago – Calama – Santiago numa empresa local, chamada SkyAirlines. Comprei as passagens direto com a central de vendas deles, por email, e não tenho do que reclamar. O serviço e o atendimento foram ótimos, alem do preço bem mais em conta que o da Lan. De Calama ate San Pedro de Atacama, a cidade base para explorar o deserto, usamos o serviço de transfer Licancabur, reservado direto no site e pago na hora. Recomendo também.

Hoteis: San Pedro
tem opções de hospedagem para todos os gostos, de hotéis sofisticados a albergues simples. Procurei por um hotel confortável  que não fosse mega caro, passar perrengue no deserto não dá né?   Escolhi o Poblado Kimal, adorei e recomendo muito. A hospedagem e feita em “chalés” individuais, super inseridos na paisagem e adequados ao clima. No verão do deserto, não tem ar condicionado, e você não sente a mínima falta. E a cama gostosa e o chuveiro quente são fundamentais pra mim. O hotel possui uma piscina bem útil para as tardes após os tours e os funcionários são muito atenciosos. Um mimo que achei muito bacana do hotel foi o cuidado em preparar kits de café da manha, para os dias em que os tours saem muito cedo. Eles deixam café e chá a disposição e uma bolsinha com sanduíche, iogurte, fruta e biscoito. Muito útil quando se sai do hotel as 04:30!

hotel poblado

Hotel Poblado Kimal – Foto: Divulgação do site

Atrações/Passeios:

No tempo que tivemos, fizemos apenas os 3 mais ”famosos”. Tínhamos combinado também o Valle de La Luna mas o cansaço junto com o mal de altitude não permitram. Os passeios são realmente cansativos e a altitude colabora muito pro cansaço, eu recomendo mesmo que marquem apenas um tour por dia.

- Lagunas Cejar, Ojos del Salar e Laguna Tebinquiche: Esse tour sai a tarde e visita primeiro a Laguna Cejar, que tem uma concentração de sal semelhante ao Mar Morto e você simplesmente bóia! Divertidíssimo! Tudo bem que o excesso de sal incomoda um pouco quando a gente sai da lagoa, mas nada que água doce não resolva. Depois uma parada nos Ojos del Salar, que parecem duas crateras de água doce no meio do nada e o gran finale e na Tebinquiche. Essa lagoa tem uma borda de sal gigantesca e proporciona um por do sol lindo, regado a pisco sauer.

Boiando na Laguna Cejar

Boiando na Laguna Cejar

- Gêiseres El Tatio: O mais incrível e cansativo de todos, parte no meio da madrugada para mais de 4.000 metros de altitude. A visão do amanhecer no campo geotérmico, com temperatura de 5 graus negativos, e os gêiseres entrando em atividade e algo inexplicável.  Depois do café da manha, uma parada na piscina geotérmica (eu não entrei, quem entrou disse que era furada pois a água não se manteve quente o tempo todo) e no povoado de Machuca, um local no meio do nada onde 7 pessoas vivem de criar lhamas e vender espetinhos da carne delas aos turistas. E o churrasquinho e bem bom! Paramos também na Trilha Inca para visitar a floresta de cactus gigantes.

eltatio

el Tatio

- Lagunas Altiplanicas: Outro tour que sai bem cedinho para visitar primeiro o Salar do Atacama e a Laguna Chaxa. A Laguna e repleta de flamingos, lindos de serem observados na luz da manha. Depois disso, o local mais bonito de todos na minha opinião, as Lagunas Altiplanicas. A 4.000 metros de altitude e, ladeadas por 2 vulcoes, estão as lagoas Meniques e Miscantis, formadas por águas termais oriundas de uma erupção vulcânica. A visão do azul delas, em meio aquela paisagem, e impressionante. Para finalizar, uma visita ao povoado de Toconao, que tem uma igrejinha fofa.

lagunasaltiplanicas

Lagunas Altiplanicas

 

salardoatacama

Salar do Atacama

Restaurantes/Bares que vale a pena mencionar: O hotel tem um restaurante que gostamos chamado Paacha, fica na Caracoles. Comemos uma parrillada muito bem servida. Outro restaurante que gostei foi o Casa de Pedra, um ambiente bem legal com uma fogueira montada no meio, durante a noite. A comida e boa, mas nada excepcional.

Lugar para compras/souvenirs: No centrinho, próximo ao museu, tem uma feirinha de artesanato local. Eu vi vendendo desde chá e bala de coca a trajes típicos. Alias, a bala de coca foi bem útil no segundo dia em altas altitudes, não senti nenhum efeito, ao contrario do dia dos geiseres.

Imperdivel(Ponto alto da viagem): Numa viagem com tantos tops, o que mais me marcou foi o céu do deserto, eu ficava hipnotizada observando a quantidade absurda de estrelas. No dia da ida ao El Tatio, eu passei as 2 horas de viagem até lá acordada observando o céu.

lagunatebinchique

Lagunate Binchique

Furada: Na ida a trilha inca, depois de ver os tais cactus, o guia inventou de nos levar por uma trilha para ver uma tal paisagem linda. Quando vi, a trilha era feita escalando pedras e no fim passaria por dentro de um riacho. Eu não sou parâmetro pois detesto esse tipo de aventura e não fui, claro, mas achei a trilha difícil e em momento nenhum o guia informou como seria, ficamos sabendo pelas pessoas que voltavam reclamando.

Não repetiria jamais: Tentar concentrar passeios no mesmo dia, como fizemos. O ideal e ter tempo para fazer tudo com calma. Os passeios são bem puxados, e preciso ter tempo para descansar entre eles.

abertura 1

A estrada no deserto

Se pudesse planejar de novo, o que mudaria? Eu ficaria mais tempo para visitar o Salar de Uyuni, na Bolívia. Saem vários tours de San Pedro que visitam também outros locais na Bolívia.

Indicado para: Todo mundo que quer ter uma experiência realmente diferente, independente de idade, gosto e hábitos.

Claudia Beatriz trocou as praias do Rio de Janeiro pela vizinhança da Casa Branca em Washington. Apaixonada por Viagens e Fotografia, é responsável pelo design e matérias deste blog, além de cuidar de todo planejamento das viagens da família. Quando não está escrevendo sobre viagens ou fotografando, a "nerd confessa" dá consultoria, treinamento e escreve sobre tecnologia, gerenciamento de conteúdo e mídias sociais. Não se esqueça de segui-la no twitter @aprendizviajant e no Google Plus + Claudia Beatriz

3 COMENTÁRIOS

  1. Adorei ler sobre a sua aventura no Deserto do Atacama, estarei indo em dezembro pra Santiago e pretendo passar uns 5 dias no deserto, você acha que está bom ? e o reveillon, pq não passou lá também ? fiquei sabendo que em Santiago as pessoas vão todas para a orla e deixam a capital parecendo um “deserto”.
    Qual o orçamento mediano para ir ao Atacama ?

    Grande abraço.

E aí? O que você achou do post? Comente!