Diário do Kilimanjaro #5: roteiro da rota Rongai (7 dias de expedição)

7
rota Rongai

Confesso que não fiz grandes pesquisas em relação as rotas disponíveis para fazer o Kilimanjaro. Já tinha lido a respeito da rota Rongai quando a Dri Miller esteve lá, e tinha achado bem interessante. A única que sobe pela parte norte, tem menos gente, mais oportunidades de aclimatação, menos extenuante e passa por diversos ecossistemas. Então, quando vi que a agência que escolhemos (a Morgado Expedições) fazia a expedição única e exclusivamente pela Rongai, nem gastei meu tempo para ver o que poderia estar “perdendo” por não conhecer as demais. A verdade é que, a não ser que você tenha tempo e dinheiro pra ir pro Kilimanjaro umas cinco vezes, você vai subir o Kili de uma forma e não adianta lamentar o que não vai ver, e sim celebrar o que vai. Ô filosofia barata! : )

(foto em destaque no início do post: nascer do sol no dia 3, no Kikelewa Camp)

Então, eu realmente não posso opinar sobre as demais rotas ok? Nem mesmo a Marangu, que eu usei pra descer. Isso porque o ritmo de descida é beeeem diferente da subida. Aqui vou falar de forma objetiva sobre cada dia da subida pela rota Rongai e da descida e pela rota Marangu, pra vocês terem uma ideia do que vão encarar se resolverem ir pro Kili pela rota Rongai. Vou escrever sobre a trilha, e não sobre o acampamento (isso virá em um outro post). Mas de maneira geral, a rota Rongai é pra quem esta disposto a ficar em camping, em barracas (sobre banheiro também vou falar no post dedicado a infraestrutura do acampamento).

Mas vamos ao roteiro da rota Rongai:

Dia 1

Chegamos no portão da rota Rongai (que se chama Naremoru) por volta do meio dia e almoçamos ali, antes da caminhada. Ali também conhecemos toda a equipe de carregadores, guias e cozinheiros que nos acompanharam por toda a expedição. Começamos a caminhada por volta da uma da tarde, depois de fazer os últimos ajustes nas mochilas e equipamentos. Altitude: 1800 metros.

Viaje com internet no seu celular

Vai viajar para o exterior? Já chegue no seu destino com o celular funcionando. A EasySim4u oferece plano de dados ilimitados em 140 países, para que você fique conectado a internet. Utilize o cupom para ganhar frete grátis: APRENDIZDEVIAJANTE! Veja meu post: Chip EASYSIM4U: Como usar a Internet na Europa.

O trekking passa por plantações de batata e milho, e também uma linda floresta de pinheiros. A subida é leve, em chão batido e pedrinhas, mas já com bastante poeira (a bota já fica marrom na primeira hora). Aos poucos as plantas ficam mais baixinhas, e cerca de 4 horas depois de partirmos chegamos ao Simba Camp, nosso primeiro acampamento. Altitude: 2600 metros. Um bom começo! 

Dia 2

Um dia longo. Saímos do Simba Camp em torno das 8:30 da manhã. Nos primeiros metros avistamos o Kilimanjaro pela primeira vez! Uau! A vegetação é densa porém “baixa”: muitas moitas e pequenas árvores. A subida não é íngreme porém é contínua, e cansa bastante. Cerca de 3 horas depois chegamos na Second Cave (passamos pela First Cave antes disso, mas nem paramos), onde fizemos uma pausa pro almoço. Foi maravilhoso almoçar com a vista do Kilimanjaro lá no fundo!

rota rongai
Nossa primeira visão do Kilimanjaro, na manhã do dia 2
rota Rongai
Almoçando com o Kilimanjaro ao fundo

Depois do almoço, mais 4 horas de caminhada, chegamos no acampamento: Kikelewa Caves. Já estávamos acima das nuvens, a 3600 metros de altura, e o por do sol foi maravilhoso (assim que caiu o sol ficou bem friozinho). O engraçado é que esse acampamento é inclinado, então durante a noite o saco de dormir vai “escorregando” e acordamos com os pés na “porta” da barraca. 

Dia 3

Saímos de Kikelewa quase às 9 da manhã. Hoje a caminhada foi curta porém dura, bem íngreme e com muitas pedras. A vegetação vai ficando cada vez mais rasteira. Nesse dia que saimos da rota “oficial” e começamos nossa aclimatação em um braço da Rongai. Andamos cerca de 3 horas e chegamos no Mawenzi Camp, a 4300 metros de altitude. Fizemos uma aula de alongamento com a Kathy (uma das chefes da expedição), almoçamos e tivemos a tarde livre, mas estávamos proibidos de dormir a tarde (tudo por causa da aclimatação). O dia continuou normalmente: café/chá, janta, conversa e barraca, pra dormir cedo.

rota Rongai
Vendo o por do Sol a 4300 metros de altura no Mawenzi Camp

Dia 4

Dia de aclimatação. Hoje não prosseguimos na trilha, fazemos uma caminhada alternativa de 3 horas pelo Monte Mawenzi, até 4700 metros de altitude, e voltamos para o mesmo lugar, onde vamos passar mais uma noite. Essa caminhada se deu na parte da manhã, foi bem difícil, bem íngreme (uma palhinha tanto da subida quanto da descida do cume) e mais uma vez tivemos a tarde livre. Resto do dia prosseguiu normalmente.

Um tapa no Kili ; )
rota Rongai
Caminhada de aclimatação, nosso acampamento láááá embaixo
rota Rongai
O céu estrelado com o Monte Mawenzi ao fundo. Por Guilherme Meneghelli https://www.instagram.com/memeneghelli/

Dia 5

Partimos cedo rumo ao nosso acampamento base para o avanço ao cume. Saímos dos 4300 metros do Kikelewa para 4700 metros do School Hut. Foi um dia diferente, pois a vegetação sumiu (era praticamente um deserto com uma ou outra pedra no caminho). A reta interminável com o Kilimanjaro lá na frente proporcionou fotos maravilhosas mas muito cansaço, uma subida sem fim. Hoje, a instrução era que todo mundo respeitasse seu tempo, pois o Manoel (guia chefe) iria tomar nosso ritmo e tempo de hoje como base para formar os subgrupos de partida para o cume a noite. Foi um dia bastante difícil.

Rongai
Longa caminhada pelo deserto com o Kilimanjaro ao fundo. Rumo ao School Hut.
Rongai
Uma das poucas pedras grandes onde dava pra descansar no trekking até o School Hut

Chegue no School Hut por volta do meio dia e meia. Durante o almoço foram definidos os subgrupos e seus horários de partida para o cume. Eu sairia a meia noite. Depois do almoço, descanso até a próxima refeição, que seria às 5 da tarde. 

Durante a “janta” tivemos as últimas instruções em relação ao avanço para o cume e então todos foram para suas barracas descansar e deixar tudo pronto para a partida. Levantei às 11 da noite para terminar de arrumar minha mochila e me trocar, e estar às 11:30 na barraca refeitório para comer algo. A meia noite em ponto meu grupo partiu rumo ao cume. 

Dia 6

A subida para o cume é uma vida em uma noite. Difícil descrever essas longas horas de escuridão, onde vemos apenas os pés da pessoa a nossa frente, iluminados pela nossa lanterna de cabeça. São feitas diversas paradas, todas muito curtas, apenas para água, por causa do frio. Prosseguimos Kili acima cada vez mais devagar, pois a falta de ar vai se fazendo mais forte. 

rongai
5:30 da manhã, quase chegando no Gilman’s Point, rumo ao cume. Por Guilherme Meneghelli https://www.instagram.com/memeneghelli/

Às 6:30 da manhã chegamos na cratera, no chamado Gilman’s Point. Já tinha clareado (vimos o nascer do sol nos últimos metros da subida), e explodimos de emoção. Apesar de ali não ser o cume, é um ponto importantíssimo. Já rolou chororô e muitos abraços! Muita gente desiste de continuar para o Uhuru Peak (o cume) quando chega no Gilman’s, devido a exaustão. Mas nosso guia pediu para que avaliássemos de estamos “apenas” cansados ou se realmente nos sentíamos mal, com algum sintoma causado pela altitude (como tontura, dor de cabeça ou náusea). Todos no meu grupo resolveram prosseguir por mais 2 horas até o Uhuru. As pernas estavam bambas, mas com o sol a pino tivemos uma injeção de ânimo.

Tiramos uma camada de roupas e prosseguimos. Essas 2 horas foram extenuantes. Muito difíceis mesmo. Eu achava que minhas pernas iam ceder e eu ia cair a qualquer momento. As costas estavam doendo muito por causa da mochila. Acho que dávamos 2 ou 3 passos por minuto. A ladeira final é cruel. Mas começamos a cruzar com algumas pessoas – inclusive da nossa expedição – fazendo o caminho de volta, e isso nos deu força. Muitos abraços, muitos parabéns, e finalmente chegamos, todos de mãos dadas, às 8:30 da manhã. 5895 metros. 

Rongai
Nosso grupinho e a super ladeira que leva até o Uhuru Peak. As pernas quase cedendo.
rongai
Vista do cume! observem as pessoas chegando/indo embora lá no fundo

Mais uma rodada de abraços, choro e soluço. Fotos, momentos “não acredito que estou aqui” e um breve descanso antes de voltar.

Começamos a voltar até o Gilman’s Point, de lá descemos pelas pedras mas logo depois desviamos do caminho de subida, ja que não voltaríamos para o School Hut. Descemos uma parte toda de “areia”, praticamente esquiando e forçando bem as coxas e as batatas das pernas. Depois continuamos por mais uma hora e meia por um caminho de chão batido e chegamos ao Kibo Hut para um breve descanso e almoço. 

rota Rongai
Caminhada pós cume, pós almoço, até nosso último acampamento da expedição

Não sei onde encontramos força para a caminhada de 10km ate o acampamento onde passaríamos a noite, o Horombo Huts. O caminho a princípio era um deserto, com o Kili atrás de nós e o Monte Mawenzi a nossa esquerda. Não tinha pedras, não tinha nada. Era uma reta que depois de muito tempo deu lugar a um caminho de pedras grandes. Finalmente chegamos ao Horombo e pudemos nos limpar, nos vestir, comer e dormir. Foi a primeira noite que dormi sem parar, das 8 às 6 da manhã. 3900 metros de altura.

Dia 7

Dia longo mas que acabaria com banho quente e cama macia! 20 km pela frente para ir embora, só de descida, com oxigênio entrando! Maravilha né? Demos início a caminhada pela rota Marangu, sem grandes perrengues. O interessante é que agora vemos a transformação de vegetação de forma inversa: as pedras vão sendo substituídas por moitas, pequenas árvores e então entramos em uma floresta! Essa divisão é bem distinta, e a floresta surge do nada, e é como a mata atlântica que temos no Brasil, com a sua própria “bruma” criada pela umidade das árvores. Passamos inclusive por cachoeiras e até vimos macacos.

rongai
Vem nimim, oxigênio!!!

Depois de quase 4 horas andando paramos para almoçar no Mandara Huts, nossa última refeição feita pela equipe de cozinheiros da expedição. E nosso primeiro contato com banheiro com privada depois de tantos dias! Por isso que a rota Marangu é tão popular, sua comodidade é realmente atraente. 

A umidade da floresta
Portão de entrada/saída da rota Marangu, por onde descemos
Um brinde ao fim da expedição com cerveja local

Mais 3 horas de caminhada “ladeira abaixo” e chegamos no portão Marangu. Assinamos o livro, ganhamos certificado e compramos cerveja e Coca Cola na lojinha que tem ali. Nossa equipe de carregadores, guias e cozinheiros estava nos esperando e tivemos uma despedida linda, com dança e cantoria, antes de entrarmos nos ônibus e partirmos para a viagem de 3 horas até o hotel. 

Leia aqui todos os posts sobre a viagem ao Kilimanjaro. 

 


Vai Viajar?

Assine a Revista Aprendiz de Viajante! Assine a revista por R$ 120,00 + chip com 30 dias de internet ilimitada gratuita para usar em mais de 140 países!!!! Você sabia que o chip mais barato, de 5 dias, custa mais caro que a assinatura??? Então aproveite!!!! Assine agora.

Não esqueça de fazer o seu Seguro de Viagem, pois ele é obrigatório nas viagens para a Europa. Mesmo nos Estados Unidos, é altamente recomendado, pois como não existe saúde pública no país, qualquer problema mínimo de saúde pode resultar numa conta altíssima de hospital ou pronto socorro. Nós não viajamos sem seguro nunca. Faça sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Você pode pagar em até 12x no cartão ou ter desconto de 5% no boleto. Nossos leitores ainda recebem um desconto de 5% na hora de pagar. Use o código promocional: APRENDIZ5.

Reserve o seu hotel no nosso parceiro Booking

Precisa alugar um carro? Reserve o carro na RentCars. A cobrança será feita sempre em reais, sem IOF e você ainda vai poder dividir em até 12 parcelas no cartão de crédito ou ter um de 5% no boleto bancário.

Saia do Brasil com seu chip internacional já funcionando no celular.


7 COMENTÁRIOS

  1. Li esse post arrepiada, com os olhos marejados. Que experiência, Helô!
    Seus posts têm me deixado com vontade de viver essa aventura também. Quem sabe daqui uns anos, né? 🙂
    Parabéns pelo relato. Já na espera da continuação. hehe
    Beeijo!

  2. Nossa, que emoção!!! Já me cocei de vontade de fazer trilhas, quem sabe um dia me animo ao Kilimanjaro! Adorei seu relato Helô, parabéns pela conquista e pela coragem, não deve ter sido fácil, mas saiba que você inspira muita gente assim!! :*

  3. Heloísa, que post maravilhoso. Olha que eu fiquei emocionada com a tua descriçao e com as fotos (as do nascer do sol sao de arrepiar!). Parabens! Que experiencia incrivel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comente!
Por favor entre seu nome aqui