Home Destinos Asia Como é a Tóquio Disney Sea, o parque da Disney que só...

Como é a Tóquio Disney Sea, o parque da Disney que só o Japão tem

Na nossa última viagem ao Japão (em julho passado) tiramos um dia para conhecer a Disney Sea, que é um parque da Disney que só existe no Japão. Na nossa primeira viagem (em 2006, só eu e o marido, antes das crianças nascerem) tínhamos visitado a Tokyo Disneyland, que é uma cópia fiel do Magic Kingdom de Orlando. Os dois parques são lindos e bem-cuidados, com o padrão Disney de qualidade. Se você tiver pouco tempo e tiver que escolher um, vá a Disney Sea, e deixe para visitar o Magic Kingdom de Orlando futuramente, que é mais fácil e mais barato do que ir ao Japão de novo se você um dia você se arrepender de não ter visto a Disney Sea! Lembrando que nessa viagem a Julia estava com 4 anos (quase 5) e o Eric com 9 meses.

mapa da disney sea

Mapa da Disney Sea no Japão, clique para ver o PDF com legenda

Apesar do nome Disney Sea nem todas as áreas são relacionadas com o mar, achei que o parque fosse muito mais temático do que ele é na verdade. Você entra pela área chamada Mediterranean Harbor, e está numa cidade italiana, inspirada em Veneza. Os prédios imitando a arquitetura clássica italiana, o lago com gôndolas, você pode fazer um passeio de gôndola se quiser. Nessa área tem lojas, restaurantes e uma sorveteria servindo gelato. As atrações são os passeios de barco a vapor, gôndolas e o navio e a fortaleza dos grandes exploradores. No lago são realizados shows onde eles molham as pessoas durante os dias de verão, se não quiser se molhar, nem chegue perto que eles encharcam todo mundo mesmo. A noite no mesmo lago tem o show Fantasmic, de luzes, música, efeitos especiais e fogos, muito lindo, vale a pena assistir (e bem diferente do Fantasmic que eu vi em Orlando há muitos anos).

disney sea mediterranean harbor

Chegando na Disney Sea, a primeira área se chama Mediterranean Harbor

Fomos andando ao redor do lago, passamos pela Mysterious Island, que é uma área que tem um vulcão que faz barulho e entra em erupção algumas vezes por dia e tem duas atrações: Journey to the Center of the Earth, que é um passeio subterrâneo ao centro da terra (tipo uma montanha-russa), e 20,000 Leagues Under the Sea, que é um passeio no submarino da história famosa 20 mil léguas submarinas, em busca da cidade perdida de Atlântida.

disney sea mysterious island

Passando pela Mysterious Island na Disney Sea e o submarino da atração 20 mil léguas submarinas

O castelo da Disney Sea é o Castelo do Rei Tritão, pai da Pequena Sereia. O castelo é lindo, forrado com mosaicos coloridos, mas estava em obras durante a nossa visita, uma pena (eu juro que o meu marido é pé frio, segundo parque da Disney que visito com ele que tem o castelo em obras). O Castelo e a área adjacente fazem parte da área chamada Mermaid Lagoon.

Dentro do Castelo é o Reino do Rei Tritão, tem um monte de atrações para crianças pequenas que a minha filha amou: brinquedos nada radicais (Blowfish Balloon Race que são os balões que ficam girando, subindo e descendo; The Whirpool, que são as xícaras malucas; Jumpin’ Jellyfish, as águas-vivas com assento que sobem e descem), o playground da Ariel pras crianças correrem bastante (inclusive com espaço acolchoado pra bebês) e uma área de fontes que as crianças podem circular e se molhar; o show da Pequena Sereia no Mermaid Lagoon Theater, uma loja de souvenirs onde a maioria das coisas é da Ariel e seus amigos; um restaurante que serve pratos com frutos do mar, o Sebastian’s Calypso Kitchen e o Ariel’s Greeting Grotto, que é onde a sereia tira foto com as crianças. Detalhe importante no verão: essa área inteirinha dentro do castelo tem ar condicionado, uma beleza com o calorão que estava fazendo.

Do lado de fora tem ainda uma montanha-russa pequenininha chamada Flounder’s Flying Fish Coaster e um brinquedo que sobe e desce em um trilho circular, o Scuttle’s Scooters.

chegando castelo disney sea

Chegando no Castelo do Rei Tritão – em obras! – da Disney Sea, adorei os mosaicos (me lembrou o Parc Guell de Gaudí em Barcelona)

Castelo e show da Ariel

Entramos no Castelo e fomos direto pro show da Ariel, pena que não pode fotografar ou filmar o show

O show foi bem bonitinho (e rapidinho, 15 minutos): a Ariel “flutua” no ar como se estivesse nadando, e as músicas são cantadas em inglês. Somente os diálogos são em japonês. A Julia ficou com medo numa parte que aparece a Bruxa do Mar, e não quis ver, ficou tampando os olhos e se escondendo…o Eric entrou dormindo no show e continuou dormindo até a metade, depois ficou assistindo boquiaberto, sem entender muito bem o que estava acontecendo. Pra quem quer entender os diálogos, pode pedir um sistema de legendas pros funcionários na entrada, mas pra quem conhece a história acho desnecessário e você vai ficar olhando pro aparelho ao invés de olhar pro show (parece um pager que vai mostrando as falas por escrito, em inglês).

Dentro do castelo da Ariel

Brincando dentro do Castelo na Disney Sea: fomos nas xícaras malucas The Whirpool (o Eric estreou e adorou) e nos balões de peixinhos, Blowfish Balloon Race

Almoçamos no Sebastian’s Calypso Kitchen, que tinha um menu de frutos do mar: eu fui de sanduíche de salada de camarão e salmão, que vinha com batatas-fritas e um refrigerante, por 990 ienes. A Julia e o Gabe que não são muito chegados em frutos do mar comeram pizza de linguiça (tipo uma calabresa), que custou 680 ienes (mesmo preço da pizza de frutos do mar). Você também podia pedir um sanduíche de croquete de vieiras dentro de uma caixinha especial pra levar pra casa, que custava 930 ienes (na caixa) ou 530 ienes sem. Sopa de frutos do mar, saladas e sobremesas eram as demais opções do menu. Estava tudo bem-feitinho, como toda comida no Japão aliás.

Almoco no castelo

Almoço no Castelo: Sebastian’s Calypso Kitchen é o restaurante da Mermaid Lagoon

De lá fomos para a Arabian Coast, que é a área com os personagens do Aladdin. Nessa área tem 4 atrações: o Carrossel de 2 andares lindíssimo, que a Julia não quis ir nem por decreto; o filme 3D que o Gabe foi, insistimos pra Julia ir com ele e ela só disse que queria ir quando ele já estava lá dentro e não tinha mais jeito (e aí chorou, ai ai); o Tapete Mágico da Jasmin que nós fomos todos, bonitinho, as crianças gostaram; e as Viagens de Simbad, que o Gabe e a Julia foram e eu fiquei fora com o Eric, que é no mesmo esquema da atração It’s a Small World em outros parques da Disney. Enquanto o Gabe assistiu ao filme 3D, ficamos esperando ele sair sentados na praça de alimentação Casbah Food Court, que tinha um menu de pratos “exóticos” (pela definição deles): curry, frango tandoori, hummus, pratos indianos e árabes, e sobremesas árabes que eu amo (pena que eu não tinha visto esse restaurante antes da gente almoçar!).

chegando aladdin

Chegando na Arabian Coast, na Disney Sea. Dentro do prédio circular de 2 andares tem um carrossel lindo!

Andando aladdin

Andando pela Arabian Coast na Disney Sea: sorvetes diferentes, foto com o camelo que fazia um barulho que o Eric odiou e o brinquedo Viagem de Simbad

Tapete magico

Fomos todos voar no Tapete Mágico da Jasmin (que nem o Dumbo das outras Disneys)

Saímos da Arabian Coast e fomos andando para outra área, chamada Lost River Delta. Nessa parte do parque a vegetação é densa, e as construções são uma mistura de arquitetura maia com construções de madeira na floresta. A atração principal é a montanha-russa Raging Spirits e a trilha off-road do Indiana Jones, Indiana Jones Adventure: Temple of the Crystal Skull. Como as crianças não podiam ir em nenhuma das duas, passamos direto. Por ali também estão alguns personagens: Mickey, Pateta e Minnie, mas as filas estavam grandinhas e resolvemos não esperar.

Fomos assistir ao show Mystic Rhythms, que é um show meio Cirque du Soleil, com muitos malabarismos, música e alguns efeitos especiais (25 minutos de duração). Mas não achei muito interessante pra crianças pequenas, a Julia já estava meio cansada no final. Eu achei legal mas não amei, principalmente porque a música não me agradou, escolheria um outro show pra assistir.

Lost River Delta

Andando pela área Lost River Delta na Disney Sea: montanha-russa Raging Spirits e Indiana Jones Adventure: Temple of the Crystal Skull

Depois que o show acabou fomos para a área seguinte, Port Discovery. As atrações nessa área são 3: Storm Rider, que é uma simulação de tempestade com tornado – o Gabe foi sozinho porque a Julia logicamente ficou com medo (mas essa era óbvia que não era pra idade dela, a funcionária que indicou foi sem noção); Aquatopia, que são uns barquinhos tipo pedalinhos mais modernos que jogam água uns nos outros, mas a gente não trouxe roupa extra pra trocar e não queríamos ficar molhados (e o Eric não podia ir porque criança de colo não entra); e a Electric Railway, que é um trenzinho elétrico que liga Port Discovery a outra área, chamada American Waterfront. Pegamos o trem e fomos pra lá.

disney sea port discovery

Andando por Disney Sea Port Discovery, pra mim essa foi a parte mais fraca do parque

Chegando na área American Waterfront Julia viu logo as crianças brincando na fonte e saiu correndo pra brincar também. Eu e Gabe nos espantamos porque ela NUNCA quis entrar em fonte nenhuma assim de roupa e tudo, foi a maior novidade. Como eu tinha roupa extra pra ela, deixamos ela aproveitar bastante. Ficou lá um tempão correndo com a criançada, e saiu encharcada. Acabamos nem indo na atração infantil dessa área, que é a Turtle Talk, onde as crianças podem conversar com a tartaruga Crush do filme Procurando Nemo (apesar de que devia ser somente em japonês e não sei se teria graça pra Julia). Enquanto o Gabe foi trocar a roupa dela eu fui pra fila do show Big Band Beat, que era o show com melhores reviews da Disney Sea.

Normalmente esse show tem sorteio de ingressos pra todas as apresentações menos a primeira do dia, porque é muito concorrido, mas no dia que a gente foi era só entrar na fila mesmo, fomos na última apresentação do dia. Eu fui com a Julia, e o Gabe ficou lá fora com o Eric, aproveitou pra dar o jantar dele que já estava na hora. Não nos decepcionamos, o show é um musical com Big Bands dos anos 20, muita gente sapateando, inclusive alguns personagens (Mickey, Minnie & cia). Muitas músicas conhecidas da época cantadas ao vivo, os cantores eram muito bons, 2 homens e 2 mulheres, arrasaram. Ótimas coreografias, um número musical fofo com a Minnie, Margarida e a gatinha Marie dos Aristogatas que a Julia adorou, Mickey fazendo solo de bateria, foi bem legal. Esse show foi todo em inglês e não podia fotografar nem filmar.

Outras atrações do American Waterfront são a Tower of Terror, que é o elevador que despenca igual ao do Walt Disney World em Orlando; Toy Story Mania, também igual ao de Orlando e que tinha acabado de inaugurar (e estava com uma fila de 3 horas!); passeio de barco a vapor, trem elétrico ou nos carros antigos que circulam pela área. Tem também o encontro com o personagem Duffy, mas como a Julia não conhece, não tínhamos interesse em ir.

american waterfront

American Waterfront na Disney Sea, a Tower of Terror é a mesma de Orlando e a nova atração Toy Story Mania também (e estava com uma fila de 3 horas!)

Quando saímos do Big Band Beat já estava quase na hora de começar o show principal do parque: Fantasmic! Eu assisti ao Fantasmic! do antigo MGM Studios em Orlando quando estreou em dezembro de 1998 (uia!) e achei lindo, então imaginava que esse seria igual. Mas claro que a Disney incrementou e muito o show nesses 14 anos, e o Fantasmic! da Disney Sea é muito mais cheio de efeitos especiais do que o que eu tinha visto antes. Eric assistiu tudo boquiaberto, e a Julia gostou mas ficou com medo dos vilões e dos fogos no final. Só o lugar que nós pegamos não foi legal: apesar do lago ser quase um círculo, o show fica de frente para a entrada principal do parque, e nós ficamos do lado oposto, então vimos tudo por trás. Não foi ruim, mas é melhor pegar um lugar de frente.

disney sea fantasmic

O show Fantasmic! na Disney Sea: luzes, água, música, fogos e muitos personagens em barcos

Depois do show nós tínhamos feito reserva no restaurante Magellan’s, ali no Mediterranean Harbor mesmo. Chegamos lá com o Eric já dormindo no carrinho, mas eles não deixam entrar com o carrinho, tem que desmontar e guardar, então tive que tirá-lo e colocá-lo no sofá de um lado da mesa (ainda bem que ele estava tão cansado que nem ligou e continuou dormindo). Pedimos um dos menus de preço fixo, com 3 pratos: entrada, prato principal e sobremesa. Eles também tem o menu infantil da mesma forma, a Julia tomou uma sopa de milho (que ela adorou), o prato principal era o mix muito comum no Japão de camarão katsu, hamburguer, arroz e frango karaage (que ela não gostou muito) e a sobremesa foi um sorvetinho de baunilha em um prato super incrementado que ela também não ligou muito (o cansaço falou mais alto). Eu comi uma saladinha ótima de entrada, meu prato principal de pato com molho de laranja estava horrível (nem consegui comer todo, apesar de ser pequeno, acho que foi a única refeição ruim que eu fiz no Japão) e a sobremesa foi um creme brulée muito bom. O Gabe foi de salada de entrada, peixe de prato principal e um sorvete de sobremesa, gostou de tudo, mas não ficou impressionado também não. De um modo geral achamos que o custo x benefício não valeu, porque esse restaurante foi mais caro que os demais e a comida foi bem fraca.

disney sea magellan

Nosso jantar foi no restaurante Magellan’s na Disney Sea, bonito, mas comida fraca

Saímos direto pro monorail com o parque fechando, as duas crianças dormindo nos carrinhos (e é por isso que eu prefiro levar carrinhos do que alugar, porque numa hora dessas a gente teria que devolver os carrinhos alugados e levar os dois dormindo no colo!).

Informações úteis:
Tóquio Disney Sea
Como ir: pegue o trem JR linha Keiyo ou Musashino a partir da estação Tokyo para Maihama, que é a estação mais próxima dos parques. Para a Disney Sea você tem que pegar o monorail bonitinho do Mickey, porque a entrada do parque é bem longe da estação (uns 30 minutos à pé, não faça como nós que andamos até lá, pegamos o monorail na volta). Para a Tokyo Disneyland você pode ir andando até a entrada que é bem pertinho.
Dica importante: verifique no site oficial se o dia que você está planejando ir é um dia que eles esperam que seja cheio ou não. Nós fomos em um dia considerado vazio e achei bem cheio, mesmo a menina do parque dizendo que não estava cheio não. O padrão japonês de parque cheio ou vazio definitivamente não bate com o meu!
Preços: Adultos: 6.200 ienes, adolescentes (12 a 17 anos): 5.300 ienes, crianças: 4 a 11 anos: 4.100 ienes. Crianças com menos de 3 anos, grátis. Idosos: 5.500 ienes. Você pode comprar antecipado online com cartão de crédito e retirar os ingressos na bilheteria do parque.

Para ver o post que escrevi na ocasião da nossa visita a Tokyo Disneyland em 2006 clique aqui.

Todos os posts do Japão:
Planejando uma viagem para o Japão
Roteiro de viagem pelo Japão
Guia Fotográfico de Comida Japonesa
O que fazer em Tóquio
Onde ficar em Tóquio
Passeios de 1 dia a partir de Tóquio
O que fazer em Quioto
Compras no Japão
Restaurante em Tóquio: jantando com os Ninjas
Um dia em Nara, a antiga capital do Japão
Como é o Takayama Matsuri, um dos festivais mais famosos do Japão
Tóquio com crianças: dicas para quem vai com bebê e criança pequena
Visitando o Hakone Open Air Museum
Como chegar a Hakone (e como se locomover na área)

Luciana Bordallo Misura, começou a blogar em 2001 no Colagem, mora nos EUA desde 2002 (atualmente em Austin, no Texas, e já morou em Michigan e Washington), e é fundadora do Mundo Pequeno, um índice de blogs de brasileiros no exterior. É designer e também apaixonada por fotografia. Tem dois filhos, a Julia e o Eric, e viaja com eles e o marido praticamente todo mês. Siga a Luciana no Twitter @lucianamisura e no Instagram

14 COMENTÁRIOS

  1. Oi Lu!
    Nossa, mais um post incrível! Estou impressionada com a Disney Sea, de verdade. Depois da de Orlando, essa é uma das que mais queria conhecer, porque sou fã da Ariel.
    Agora tô babando de vontade de ir pra lá!
    Preciso ir pro Japão logo! ahaha

    Parabéns pelo post e pelas lindas fotos! (e o marido tá falando que seus bebês são lindos tb!)

    Beijos!

  2. Oi Luciana! Adorei ler sobre seu dia na Disney Sea, achei engraçado que fizemos o trajeto contrário de vcs e terminamos no Palácio do rei Tristão. E fomos até o parque de ônibus que sai da estação de Shinjuku, ao lado de onde estavamos hospedados!
    A sua dica de escolher este parque é certeira, dificilmente vamos ver um parecido em outro lugar.
    Achei este parque maravilhoso, e realmente o que para eles é vazio para nós é pura multidão, no nosso dia, uma segunda feira a fila do Toy Store era de 4 hrs, rs, mas nada tirou nosso animo, afinal o povo japonês é tão educado que chegam a ser quase invisíveis, rs!
    O parque tem muito para se admirar!
    Bjus

  3. Muitos parabens pelo post. Eu sou apaixonado pelo mundo Disney e um dos meus sonhos é um dia poder conhecer este parque, pela primeira vez encontro um relato escrito em português por alguém da mesma língua e fiquei quase emociando, e cheio de vontade de poder conhecer. As fotos ficaram fantásticas e adorava poder ver mais algumas, tem de fazer um slideshow das fotos. Muitos parabens

  4. ola, adorei sua postagem….
    moro no japao ha uns 8 anos e segunda gira dia 16, eh a primeira vez q vou na disney sea….. estou muito empolgada…. ja estava, agora dps q vi sua postagem, fiquei mais ainda…… mal posso esperar!!!!!!

  5. oi!
    estava eu aqui fazendo pesquisa sobre a disney e cai aqui…
    adorei tudo que voce postou.
    moro no japao tem mais de 10,sou completamente apaixona pela disney…
    disney sea e bem isso q voce postou,otimaaa dica pra quem pretendei r passear la…
    sobre o ultimo show fantasmic,todos os anos vai mudando,alterando mais alguma apresentação…sempre lindo,um encanto!(falo isso pq fui nos últimos 4 anos)
    fiquei feliz de ter encontrado tantas dicas por aqui..
    que Deus continue abençoando seus passos e sua linda família!

E aí? O que você achou do post? Comente!