Tóquio com crianças: dicas para quem vai com bebê e criança pequena

9

Para quem vai ao Japão com crianças, a boa notícia: como você já deve ter imaginado, a parte mais difícil é chegar lá. A viagem é longa, os pais tem que estar muito bem preparados pra encarar os vôos, e o fuso-horário é brutal (12h a mais que o Brasil). Mas uma vez em terras nipônicas, tanto as cidades quanto o povo recebem muito bem crianças de todas as idades. Os japoneses foram especialmente atenciosos com o Eric, que estava com 9 meses: eles adoram um bebê! Sempre tinha alguém que começava a brincar com ele no metrô, sobravam sorrisos. Uma senhora uma vez tirou um papel da bolsa e fez um origami pra ele, assim, na hora. Tóquio é a cidade grande mais bem-preparada que já vi para atender crianças pequenas, em 15 dias que ficamos lá com a Julia e o Eric ficamos muito bem impressionados com a infra-estrutura pública e privada (lojas, restaurantes, shoppings, etc). E pra quem já ouviu que criança japonesa é super comportada e tem medo de levar os seus, observei que sim, as crianças mais velhas são super educadas, mas os bebês e crianças pequenas gritam, choram e fazem manha como em qualquer outro lugar do mundo!

Mas vamos aos motivos pelos quais nós achamos que Tóquio é a cidade que melhor recebe famílias de todas as cidades grandes que já visitamos:

Trocadores de bebês em tudo que é banheiro público: quem viaja com bebê e criança pequena, principalmente pela Europa, já teve que trocar fralda nos lugares mais inusitados e incômodos porque é super difícil encontrar trocador. Em Tóquio você não passa aperto – a maioria dos banheiros femininos públicos tem trocador, e quando não tem, o banheiro para deficientes físicos tem. É raro ver trocador de bebê em banheiro masculino como aqui nos EUA, já deu pra ver que os japoneses são conversadores nesse aspecto. Mas o banheiro para deficientes é unissex, então mães e pais podem trocar as fraldas dos filhotes. Não tivemos que trocar a fralda do Eric em nenhum lugar estranho durante a viagem inteira.

trocador-fraldas-japao
Trocador de fraldas em um banheiro público no Japão

Elevadores nas estações de metrô e trem: nem sempre são fáceis de encontrar, ou mais perto da saída que seria conveniente pra você, mas tem. Da primeira vez que fomos ao Japão, só eu e o marido, a gente não ficava procurando elevador nem escada rolante; olhávamos qual era a saída mais perto que a gente precisava e pronto. Dessa vez com as crianças e carrinho de bebê, a gente procurava o elevador e em mais de 95% das vezes, encontrava. Nas estações gigantes de Shinjuku e Shibuya em algumas baldeações de metrô para trem ou trocando de linha não conseguimos achar o elevador e tivemos que descer ou subir escadas, mas não sei se realmente não existiam mesmo ou se a gente que não tinha conseguido ler alguma sinalização indicando o caminho até um. E sim, muitas vezes demos voltas na estação, mas quando você tem uma criança dormindo no carrinho, o esforço vale a pena.

Tratamento diferenciado para crianças em restaurantes: não sei com que idade as crianças japonesas começam a comer a mesma comida que os pais ou a tomar chá, mas sempre que a gente chegava a um restaurante eles iam logo colocando pratinhos, copinhos e talheres infantis na mesa pras crianças comerem com a gente (e algumas vezes, já traziam chá pra todo mundo, pras crianças também). Alguns restaurantes tem menu infantil, o prato recorrente no menu para as crianças é um combo que tem arroz, camarão katsu, uma carne que parece hamburguer, tudo no mesmo prato. Mas como é fácil de encontrar arroz cozido e carnes e legumes grelhados, macarrão de várias formas, não era difícil encontrar alguma coisa que agradasse as crianças. Quase todos os restaurantes tinham cadeirão para bebê, tivemos talvez umas duas situações que o Eric teve que ficar no colo porque não tinha cadeirão. Eu levei papinhas para o Eric, só por precaução, porque ele ainda não estava comendo comida mesmo e fiquei preocupada dele não gostar das papinhas locais, que não tem muita variedade mesmo.

Viaje com internet no seu celular

Vai viajar para o exterior? Já chegue no seu destino com o celular funcionando. A EasySim4u oferece plano de dados ilimitados em 140 países, para que você fique conectado a internet. Utilize o cupom exclusivo para leitores do blog APRENDIZDEVIAJANTE e receba frete gratuito! Veja meu post: Chip EASYSIM4U: Como usar a Internet na Europa.

Papinhas de bebê japonesas
Algumas papinhas de bebê japonesas a venda em uma farmácia em Shibuya
Eric no cadeirão em Tóquio
Eric no cadeirão num restaurante em Shibuya, no Children’s Castle
Um menu infantil em Tóquio
Menu infantil do Café Castle em Shibuya, Tóquio
Combo infantil em Tóquio
Esse é o combo infantil que vimos muito durante a viagem, este foi em um restaurante na Disney Sea
Pratinho, talheres e copo para crianças em Tóquio
Pratinho, talheres e copo para crianças no restaurante Maisen em Tóquio

Crianças pequenas não pagam passagens em transporte público: crianças que ainda não estão na escola (menos de 6 anos) não pagam passagem em metrô, trens, ônibus, uma beleza. Acima de 6 anos você precisa comprar passagem, o JR Pass tem um preço diferenciado para crianças.

Fraldas e lencinhos fáceis de encontrar em farmácias, bons e baratos: foi super fácil encontrar fraldas (eles tem marcas japonesas e americanas, como Pampers, que foi a que comprei) e lencinhos, e embora não fosse tão barato como nos EUA, não foi caro. Talvez o preço seja similar ao do Brasil (não sei quanto andam custando fraldas e lencinhos no Brasil). As fraldas para o tamanho do Eric (por peso) eram todas do tipo pull up, inteiras, e nos desenhos do pacote eram crianças que já andavam, mas isso não foi problema.

Fraldas Pampers japonesas
As fraldas Pampers japonesas que usamos pro Eric

Locais pra descansar, amamentar e trocar bebês: As lojas de departamento enormes sempre tem um banheiro de família com área para trocar fraldas, amamentar, dar comida pro bebê, descansar. Não via as japonesas dando mamadeira ou amamentando em público, imagino que elas usem locais como esses nessas situações. Mas ninguém fez cara feia pra gente por dar comida pro Eric ou quando eu dava de mamar em público (usando uma capa de amamentação pra cobrir, vale dizer).

Julia brincando em um shopping em Roppongi
Julia brincando com uma menininha japonesa em um shopping em Roppongi

O que eu não vi em Tóquio:

Playgrounds nos parques: embora existam jardins e parques grandes na cidade, eles não tem playgrounds para crianças. Só vi um parquinho com escorrega, balanço e afins durante todo o tempo que ficamos lá (perto da Tokyo Tower, só não parei pra Julia brincar porque estava um calor absurdo naquele dia e hora), e pesquisando na internet vi que eles são realmente raros.

Prioridade para famílias com crianças pequenas em filas: não sei se realmente não tem ou se a gente que não ficou sabendo, mas sempre que tinha uma fila a gente esperava com as crianças com todo mundo, ninguém nos chamou pra uma fila especial como costuma acontecer quando vamos ao Brasil.

Dicas:

Faça como as japonesas, use carregadores de bebê sempre que possível: vimos muitas, mas muitas mães mesmo, carregando seus bebês em carregadores tipo o Ergo. Se o seu bebê é pequeno ainda, com certeza é uma excelente opção, porque se você por acaso tem que encarar uma escada, não precisa tirar a criança de um carrinho ou ter que carregar o carrinho com a criança dentro. Muitas vezes vemos as mães com os dois: carregador e carrinho. Outra dica é usar guarda-chuva pra proteger os pequenos do sol, as japonesas andam muito com sombrinhas no verão pra se proteger. Eu adotei a ideia, muitas vezes com o bebê no carregador você consegue proteger melhor com um guarda-chuva do que no carrinho.

Eu, Eric e Julia no templo Meiji, Tóquio
Eu, Eric no carregador (Ergo) e Julia no carrinho, templo Meiji, Tóquio
Eu e Eric em Tóquio
Eu protegendo o Eric do sol à moda japonesa, com um guarda-chuva, em Tóquio

Se vai viajar longas distâncias de trem, com malas e crianças, use um serviço de transporte de malas: assim você tem menos coisas para carregar, já que ainda tem que se preocupar em carregar crianças e a bagagem delas. Esse serviço se chama takuhaibin, você despacha as malas de um hotel pro outro ou do aeroporto pro hotel e vice-versa. Foi isso que nós fizemos na chegada e na volta, mandamos as nossas malas do aeroporto pro apartamento e vice-versa, assim “só” estávamos com as crianças, carrinhos e mala de mão pra pegar o trem. Falei sobre esse serviço com mais detalhes no post Planejando uma viagem para o Japão.

Você já foi ao Japão com crianças? Se sim, tem mais alguma coisa a acrescentar?

Se você não viu, todos os meus posts do Japão:
Planejando uma viagem para o Japão
Roteiro de viagem pelo Japão
Guia Fotográfico de Comida Japonesa
O que fazer em Tóquio
Onde ficar em Tóquio
Passeios fora de Tóquio
O que fazer em Quioto
Compras no Japão
Restaurante em Tóquio: jantando com os Ninjas
Um dia em Nara, a antiga capital do Japão
Como é o Takayama Matsuri, um dos festivais mais famosos do Japão
Visitando o Hakone Open Air Museum
Como chegar a Hakone (e como se locomover na área)
Como é a Tóquio Disney Sea, o parque da Disney que só o Japão tem


Vai Viajar?

Assine a Revista Aprendiz de Viajante! Assine a revista por R$ 120,00 + chip com 30 dias de internet ilimitada gratuita para usar em mais de 140 países!!!! Você sabia que o chip mais barato, de 5 dias, custa mais caro que a assinatura??? Então aproveite!!!! Assine agora.

Não esqueça de fazer o seu Seguro de Viagem, pois ele é obrigatório nas viagens para a Europa. Mesmo nos Estados Unidos, é altamente recomendado, pois como não existe saúde pública no país, qualquer problema mínimo de saúde pode resultar numa conta altíssima de hospital ou pronto socorro. Nós não viajamos sem seguro nunca. Faça sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Você pode pagar em até 12x no cartão ou ter desconto de 5% no boleto. Nossos leitores ainda recebem um desconto de 5% na hora de pagar. Use o código promocional: APRENDIZ5.

Reserve o seu hotel no nosso parceiro Booking

Precisa alugar um carro? Reserve o carro na RentCars. A cobrança será feita sempre em reais, sem IOF e você ainda vai poder dividir em até 12 parcelas no cartão de crédito ou ter um de 5% no boleto bancário.

Saia do Brasil com seu chip internacional já funcionando no celular.


9 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Comente!
Por favor entre seu nome aqui